Com quantas parcelas em atraso o banco pode dar entrada na ação de busca e apreensão do veículo?

  • 1 de Outubro de 2021

Esclarece-se que no dia seguinte à inadimplência, ou seja, o não pagamento da parcela no vencimento, o banco já pode iniciar o procedimento de notificação extrajudicial do devedor, por meio de carta registrada no endereço fornecido no momento da realização do contrato.  

Após, o banco deve esperar um prazo razoável para pagamento, o que compreende os Tribunais de Justiça de 15 dias, passado este tempo, a instituição financeira já pode ajuizar a ação de busca e apreensão.

Contudo, na prática, não é bem assim que acontece, pois somente os carros mais populares em leilões e mais novos são notificados com menos de 60 dias do débito, veículos mais antigos e com pouco valor em leilão costumam ficar para o fim da fila e às vezes nem se tornam alvo da ação de busca e apreensão.

O importante desta informação é desmistificar que o prazo para busca e apreensão do veículo não é de uma, duas, três ou cinco parcelas, mas sim, com apenas UM ÚNICO DIA de atraso já caracteriza-se a MORA, motivo pelo qual, em o banco realizando outros procedimentos, já se pode ajuizar a ação de busca e apreensão.

Portanto, ao atrasar parcelas do financiamento, devido a situações extraordinárias que podem acontecer com qualquer pessoa e, devido a isso, ter uma ação de busca e apreensão, é de suma importância procurar imediatamente um profissional da área jurídica para que seja analisado o caso e evitar maiores dores de cabeça, como a perda do veículo.

 

Direito Civil

por Marcelo de Oliveira