Pais não visitam, Pais convivem.

  • 18 de Julho de 2022

O direito de visitas está relacionado de maneira mais ampla ao direito de convivência, considerando o bem-estar do filho e o melhor interesse da criança para um desenvolvimento físico e psíquico saudável, efetivando tais garantias constitucionais. A guarda é a tomada de decisões importantes na vida do filho, como a escolha da escola e do plano de saúde, ou seja, é o pleno exercício do poder familiar, que pode ser unilateral ou compartilhado. No entanto, o regime de convivência é o tempo que cada genitor vai conviver com seu filho.

Contudo, muitos pais omitem o direito de convivência com os filhos, deixando que a relação apenas se resuma em redes sociais ou passeios nos shopping de finais de semana.

Entretanto, muitas vezes as mães ainda estão com feridas com o término de relacionamento e dificultam a convivência com o genitor colocando obstáculos à convivência com o menor.

Sendo assim, “filho tem direito de convivência” e não visita e cabe a ambos os  genitores fazerem com que essa relação aconteça da forma mais saudável e harmoniosa possível.

Direito de Família.
Por: Willian Durigon OAB/SC 62.207